Arquivo para julho \25\UTC 2009

Trilha sonora do Cloud 9 – nos dias chuvosos

Para quem vasculha a internet sempre, este trailer não é novidade. Mas para quem não conhece, tá aí a dica:

O que me chamou atenção foi a trilha sonora, com participação do Ben Howard, um muleque novo, que manda bem em um ritmo mais calmo, com o violão deitado… atualmente está abrindo alguns shows do Jason Mraz.

Vale conferir: http://www.myspace.com/benhoward

Para mim, é uma boa trilha para aquele dia de surf chuvoso, na friaca, com o mar meio mexido, cinza, sem (quase) ninguém na água, sem ondas muito boas… E que ainda assim, é um dia de surf, e que para mim, são muito importantes.

Já tive muitas reflexões nestes dias, quando eu era o único doido da galera que saía de casa, mesmo sem ter meu short john ainda (que depois me deu uma ajuda…), naquela chuva meio fina e interminável dos invernos de Itanhaém. Andava cinco quarteirões até a praia e ficava uns 15 minutos pensando se valia a pena ou não varar a arrebentação para pegar aquele mar mexido, frio, chuvoso. É lógico que não valia, se eu avaliasse o quesito “surf”. Mas eu ia, entrava, varava a arrebentação e ficava lá, uma ou duas horas, pegava uma ou duas ondas zuadas, sozinho.

E pensava. Em sentimentos meus, no porquê da vida, na razão de eu estar vivo, alí, surfando. Tentava ligar o quebra-cabeça da vida, os conflitos de meus pais, meus próprios conflitos. Perguntava de onde eu vim, e para onde eu ia após esta vida. E aí eu ia me descobrindo, formando a minha fé, encontrando Deus, dentro e fora de mim.

Depois eu saída da água resmungando porque não peguei ondas boas. E voltava os cinco quarteirões concluindo minhas reflexões, ouvindo as respostas, quem sabe de Deus. Com as mãos meio brancas e roxas, batendo os dentes, tremendo, já sem sentir a sola dos pés…

Graças a Deus eu tive estes grandes dias ruis de surf. Alguns com a presença de meus irmãos Edu e Déia, ou meu primo Adriano, ou o Rodolfo, camarada das antigas.

Mas mesmos ruins, por um lado foram uns dos melhores dias de surf de minha vida, e não pelo surf em si, mas sim por ter sido o surf que me levou a estes dias, a estas reflexões, a estas verdades que carrego hoje.

E estas músicas me remeteram a estes dias, principalmente a Cloud Nine e a London. Valeu Ben Howard pela nostalgia.

Aloha!

Festivalma 2009

Galera,

só uma mensagem: quem foi, foi. Showzasso do Jake Shimabukuro e do The Beautiful Girls, muita arte, telas, esculturas, filmes, fotos. Muita cultura surf.

O que acho mais interessante neste evento é que, quando estamos na “vida real” (se é que esta é a real), no trabalho, ninguém conhece as bandas, os artistas. Aí você chega no evento, assiste o show de uma banda que quase ninguém do trabalho, da faculdade, conhece, e  está todo mundo cantando, todo mundo conhece as músicas, muita gente conhecem os trabalhos expostos, as fotos…

Isso é estar em casa, estar no seu mundo, e descobrir que há outros como você, que se achava diferente do mundo. Isso é sintonia, sinergia. O surf é isso, uma linguagem única, que o africano, o brasileiro, o australiano, o indonésio, o peruano, o californiano, etc, entendem, mesmo falando outras línguas.

Um residual para quem perdeu, logo abaixo. Vídeo que achei no youtube do The Beautiful Girls:

Algumas fotos dos dois shows e da arte:

Esta separei da galeria pois merece destaque. Olha a felicidade estampada no rosto e a sintonia com o ambiente:

Sinergia

Com certeza, quando minha filha nascer (em algum dia sei que terei uma filha), vou lembrar desta foto.

Agora só no ano que vem…

Aloha!