Posts Tagged 'we surf'

A alma pede surf…

E como disso no post anterior, 2012 é o ano do surf.

Tivemos a sorte de um bom swell de sul encostar bem nesse último final de semana aqui no litoral paulista, que rendeu boas ondas. E eu tive a sorte de poder surfar no sábado quase dois metros (medindo a onda onde se surfa: na frente…), e também no domingo, que variou de um a um metro e meio. Isso foi coisa rara, um swellzão bom, alinhado, com tamanho, de sul, e no verão…

Desci na companhia de bons amigos (não todos eles, pois alguns não puderam), e surfamos boas ondas.

Mas desta vez, por mais que tivéssemos condições muito boas de surf e alguns tenham evoluído o surf, cada um do seu jeito e com seus “objetivos”, não venho escrever sobre as ondas. Novamente, venho agradecer ao que o surf me proporciona, e o poder que ele tem de transformar sentimentos, de trocar conhecimentos, histórias, segredos. De compartilhar.

Todo mundo tem problemas, tem alegrias e tristezas, mas também tem pontos de vista diferentes, formas diferentes de lidar com problemas, soluções diferentes. E quem surfa sabe do que estou falando: quando estamos no outside, esperando a série, ou quando estamos saindo da água, caminhando até o carro, ou esperando para a próxima queda, sempre estamos trocando idéia com alguém. Compartilhando situações complicadas para nós, muito pessoais e íntimas, que às vezes não vemos solução, ou que estão nos desanimando. E aí o seu brother (porque nessa hora, é irmão mesmo) fala de uma experiência dele, de um problema igual ou muito próximo, e o que ele fez para sair, para resolver. É nessa hora, que você está num tubo escuro quase fechando, que de repente a onda se abre e você vê novamente a luz, a saída.

Na minha vida, pelo menos, posso dizer que tenho poucas oportunidades tão boas de se desprender da vida material, dos preconceitos que a sociedade cria, e compartilhar a vida em busca de soluções, em busca de evoluir como ser humano para enfrentar e resolver os meus problemas.

Por isso eu digo: surf não é um esporte. Surf é pura vida, é evolução pessoal e espiritual, é satisfação, é terapia, é alegria, é troca de experiências, é diversão, é amor.

Além de tudo isso, ainda há o indescritível prazer, a inatingível sensação, de deslizar sobre a água, de correr uma parede lisinha, como se estivesse flutuando na água, subindo e descendo…

Isso, meus caros, só conhece quem surfa de alma.

É por todos esses motivos que nunca vou parar de surfar. Porque minha alma pede surf.

Aloha!

Novas Conexões: Facebook

Atendendo a pedidos, criei uma página para o WE SURF! no Facebook. Agora é clicar em “curtir” e receber as atualizações no seu mural: WE SURF! no Face.

Para quem usa twitter, também é só seguir: WE SURF! no twitter.

Confesso que não sou expert em mídias sociais para trabalhá-las com todas as ferramentas que elas oferecem, mas não podemos fechar os olhos às novas tecnologias. Já que elas estão aí, vamos usar da melhor e mais produtiva forma possível.

No surf é igual: tow in, SUP, surf subaquático, câmeras GoPro, epoxi… Várias tecnologias novas nos últimos anos, e se usadas corretamente, ajudam muito o surf. Se usadas em excesso ou sem critérios, não sabemos onde vai parar.

As tecnologias podem (e devem) ser novas, mas a essência tem que ser a mesma.

É isso.

Primeiro dia de Festivalma: Mat e Donavon

Clássico. E é como no surf: difícil dizer qual foi o melhor dia de surf da sua vida, assim como é difícil dizer qual foi o melhor Festivalma. Como no surf, a definição é a mesma: não existe um dia melhor de surf, e sim um dia bom de surf. Não existe um Festivalma melhor do que outro, mas sim existe um Festivalma, todo ano.

Sempre bom, sempre com bandas boas, que retratam o surf através da música, da arte, da cultura e da amizade. Sempre encontro bons e velhos conhecidos por lá, e hoje (leia-se ontem, quinta-feira) não foi diferente: vários amigos.

A pista de skate estava animal, sempre evoluindo a cada ano.

Os shows, sem palavras também. Mat McHugh mandou muito bem, só ele e o Felipe, gaitista de Floripa, já citado por aqui anteriormente… Mat usou o apoio de um computador também, comprovando que dá sim pra usar a tecnologia de forma inteligente na música, com ritmo, som decente. Felipe destruiu na gaita, de primeira mesmo. Tocaram algumas da carreira solo do Mat e as boas do The Beautiful Girls, que me lembraram uns bons dias de surf.

Donavon Frankenreiter dispensa comentários. Acho que além do som, que só evolui com o tempo, o que é extremamente difícil quando o assunto é música, o estilão do Donavon é totalmente diferente dos outros caras da tal surf music, pois mescla o surf, o retrô, o rock’n’roll, o largado, o arrumado, o estiloso, o família (já que sempre defende a bandeira de que tem uma esposa e filhos, e sempre dedica músicas a eles em seus shows), o hippie, o hipe, o cool, o diferente. Tudo isso o faz diferente. Mescla vários estilos de música e vários instrumentos, por isso é diferente, e um dos melhores nesse meio.

Algumas fotos de hoje para a galera:

Pontos negativos do Festivalma? Sim, sempre tem. E neste ano: fumantes. Não se preocupam com os outros, fumam mesmo, dentro do evento, ao lado de quem não fuma. Não entendo como há surfista que fuma… Já se foi o tempo em que fumar era sinal de cool, de “descoladão”. Hoje é sinônimo de idiota (opinião pessoal, claro, e me perdoem os fumantes). Talvez estes fumantes que estavam no Festivalma não sejam surfistas de alma, talvez não entendam a cultura surf como um todo, que preza a igualdade, saúde, e respeito. Só um desabafo, que não tem absolutamente nada a ver com a organização do festival, nem com o surf, só com quem fuma. Espero que mudem um dia. Porque surf é vida, é alma.

E amanhã tem mais com Pete Murray. Claro, postarei em seguida com uma breve análise de um surfista. De alma.

Aloha.

2010 já era, e 2011 promete…

É isso mesmo, 2010 já era. Pelo menos para mim, que não surfarei mais neste ano, já posso dizer que para o surf este ano já era. E alguns dias atrás, consegui me despedir do mar com boas ondas aqui no litoral de SP, com bons amigos, boas reflexões, e bons pedidos para 2011.

E 2010 já era também para Andy Irons… Agora está em outra praia, outra onda, que acredito ser muito mais bela e bonita do que a deste planeta. Que ele esteja sempre em paz.

Já era também para o décimo título de Kelly Slater. Já era não, já é. Ninguém tira mais.

Derramamento de petróleo no golfo do México, japoneses e noruegueses mandando ver na caça de baleias nos mares do pólo sul, mais de 2.140 km² desmatados na floresta amazônica (dados DETER), terremotos e tsunamis em vários lugares (estão dizendo que Mentawaii não será mais a mesma), e mais um monte de coisas boas também.

Coisas acontecendo, boas ou ruins. Ajudando ou piorando.

E esta foto, para mim, representa o Reveillon. Uma onda na beira da areia vem e apaga todas as pegadas deixadas ali, e lembramos que um dia passamos por ali, mas não lembramos quantas pegadas deixamos, o formato delas, se eram fundas… O Reveillon vem e apaga tudo o que aconteceu no ano passado, e o que fica registrado? Apenas uma lembrança superficial dos fatos, dos acontecimentos, dos desastres e das coisas boas.

Mas o mundo não se esquece. De nada. Nem o mundo e nem seu “dono” (seja lá o nome da divindade que sua religião dê, é exatamente a mesma coisa. Para o mundo inteiro). E nem a sua alma… Registra tudo e você levará somente isso desta vida.

E como surfista de alma que sou, posso dizer que sou privilegiado por ter inúmeros momentos em contato íntimo com o planeta, com o oceano, com as ondas. Terei muito para contar quando deixar esta vida, as outras vidas, e as outras…

Neste ano que virá, vamos, nós surfistas, tentar refletir este lifestyle em tudo que nos cerca, em toda nossa vida. Como a onda que vem e apaga as pegadas, vamos vir e compartilhar esta essência que nos guia, e que direciona o restante de nossas vidas. No profissional, no pessoal, no espiritual.

De um em um, essa essência pode contaminar o mundo. De pegada em pegada, fazemos uma longa caminhada, que a onda da beira da praia não apagará.

A liberdade é nossa, temos que aproveitá-la para melhoramos, e para melhorar o mundo. Essa música fala um pouco disso:

ps.: ao vivo no Festivalma – http://www.youtube.com/watch?v=4CBwijkh-oQ

A todos os leitores: meu mais sincero Aloha.

Muita vida em 2011.

Obrigado, oceano

E mais uma sexta-feira, dia 09 de julho, aniversário de São Paulo. Nada melhor do que sair desta cidade para comemorar!

4h00 da manhã toca o despertador. 5h00 já estou na Imigrantes com meu amigo Raul, companheiro de trabalho e do surf.

Previsão de meio metrinho só, meio de sul, de sudeste. 6h30 atravessamos a balsa e às 7h15 já estamos dentro do john, água bem fria, mas azulzinha… Dito e feito: meio metrinho às 7h30, e ainda sem crowd nenhum. Surfamos até umas 9h00 sem ninguém na água aquele meio metrinho, bem formado, bem divertido, bem soul surf.

Saí um pouco da água, meia horinha, e depois uma nova queda, já crowdeado, fazendo valer a regra “feriado é igual a crowd”.

Acordar muito cedo, atravessar uma trilha de 20 minutos, enfrentar algumas outras dificuldades… e surfar sozinho num feriado? Vale cada minuto, cada centavo. E voltamos no mesmo dia, no meio da tarde para fugir do transtorno do crowd…

E quem quiser passar uns dias lá, ou encontrar um lugar para tomar um banho, bater um papo com gente de lá, fica aí a dica: Camping Cantão. É só falar com o Seu Álvaro ou com o Walmir. Tudo gente boa.

Recordação deste simples dia da minha vida, e que virou até papel de parede no meu note:

Obrigado, oceano. Por mais este dia, por mais esta chance, por mais vida na minha vida. Isso é o surf para mim.

Aloha.

Primeiro dia de Festivalma

Caros leitores, acabo de voltar para casa após o primeiro dia de Festivalma. Na verdade, provavelmente ainda está rolando! Falcão e os Loucomotivos devem estar no palco agora, ou então acabaram de acabar o show. Como amanhã levanto cedão, não deu para segurar e abri mão, com muito esforço, do último show…

Consegui ver o show completo da Melali Band, com Rob Machado, Todd Hannigan, Jon Swift, entre outros… Posso afirmar que a qualidade da música é muito boa, o Todd e o Jon tocam muitíssimo bem, sem palavras. O Rob traz o felling do surf para a música, além do estilão que agora é referência no mundo surf. E eu acho isso bom, melhor o freesurf do que o estereótipo de bonzão, que surfa ondas grandes, que ganha campeonatos, que pega todas as minas por aí. Gostei do som.

A exposição está muito bacana, se você surfa, vai gostar. Se não surfa, é uma boa oportunidade para conhecer este mundo e quem sabe até começar a fazer parte. Porque não tem hora, nem sexo e nem idade para isso, veja só a prova:

A mãe, que estava sentada logo atrás, estava toda orgulhosa de ver a filhinha dançando na beira do palco ao som de Rob Machado e sua banda. Senti um pouco de inveja, mas tomei como referência para lembrar disso quando meus filhos nascerem… E tinha um monte de moleque, a criançada fazia a farra no festival, pedindo adesivo, tirando foto com alguns ícones do surf, como o grande Taiu Bueno.

E veja só que bacana o “carimbo” registrado do Rob – sua cabeleira:

Algumas fotos das exposições e do show:

Fora a energia, encontrei grandes amigos, colegas de trabalhos antigos, gente que eu não via faz tempo! Grande abraço para o Daniel, surfista de peito, agora com um long também.

Surf é e sempre será alegria!

Aloha, e até amanhã para quem for…

Festivalma 2009: algumas atrações

Caros leitores, um consolidado das atrações que considero mais importantes no Festivalma 2009:

A Fly In The Champagne: Kelly Slater e Andy Irons surfando juntos, sem a lycra de competição… muito bom:

One Track Mind: mais uma produção fantástica dos irmãos Malloy, show de imagens, como sempre:

The Present: esse é outro classico do Thomas Campbell. Dispensa comentários (só um, vai – olha a primeira onda deste trailer…):

Jake Shimabukuro: como já apontei anteriormente, é um havaiano que destrói, no bom sentido, o ukelele. Assistam mais esse, todo dedilhado:

The Beautiful Girls: esse vale colocar dois clipes, das antigas, o primeiro, pela letra, que é animal (Freedom – vale muito ouvir esta música durante alguns dias antes de dormir e ao acordar), e o segundo, pelo ritmo:

Clark Little: fotógrafo insano que bate umas fotos no inside. Mas é bem no inside mesmo. Beeem mesmo. Dá uma checada:

Foras estes grandes ícones, que agregam muito ao surf nosso de cada dia, vai ter muita coisa boa: Marcelo D2, Tommy Guerrero, Yusuke Hanai, Thomas Campbell (também com as pinturas, além dos filmes), Kelly Slater… E por aí vai.

Nos vemos lá!

http://www.festivalma.com.br

Aloha, porque surf é amor!

Michael Jackson, agora em outras ondas…

Não sou fã do Michael Jackason, muito menos de seu estilo musical. Assim como também não sou fã de ópera, de sertanejo raiz… De Jackson Five sim, o som é de primeira.

Mas, o que é que um surfista faz aqui, falando sobre a morte de Michael Jackson? Qual a relação disto com o propósito do WE SURF!, que é falar sobre a cultura surf, essência do surf? Vou explicar…

O Surf me ensinou diversas coisas nesta vida. Coisas que não aprendi em casa, não aprendi com referências em outras pessoas influentes em minha vida (amigos de infância, tios próximos, avós…). Não aprendi em livros, na TV, em filmes.

Diversas coisas, que considero importantes e pilares na minha vida, aprendi no mar. Surfando. E começou quando eu tinha uns sete anos de idade, com uma prancha de bodyboard empenada, sem leash. E melhorou com uns treze anos, agora em pé na prancha. Diversas coisas, aprendi no intervalo entre uma série e outra, refletindo comigo mesmo, com Deus. Sim, foram nestes momentos que estive mais próximo de Deus, e de mim mesmo. Aprendi diversas coisas, e uma delas se chama Respeito. Respeito por tudo, e por todos que merecem.

Michael Jackson é um cara que merece Respeito. Respeito pelo que fez, pelo legado de sua música, que conquistou pessoas em diversos lugares do mundo. Aliás, a música é uma ferramenta muito importante para transmitir alguma mensagem, pois pode atingir diversas pessoas. E Michael Jackson conseguiu isso.

Jackson Five? Sem palavras… Sons muito bons, clipes muito bons, musicalidade muito boa.

E eu o respeito por isso.

Sobre sua vida, não conheço muito. Falando dos pontos negativos, sei que teve problemas com processos de pedofilia, além das diversas plásticas, da “mudança de cor” de pele…

Eu o Respeito pelos seus feitos, e principalmente pelos seus erros. Eu o Respeito pela dor, pelo sofrimento deste homem, que ao mesmo tempo que tinha tudo, muito dinheiro, sucesso, carregava um legado de culpa sem igual. Culpa pela mudança de cor e as críticas que sofreu por ter tomado esta decisão. Culpa pelo que se tornou após a batelada de plásticas sofridas. Culpa pelos escândalos com pedofilia, pelas críticas sofridas. Culpa pelos próprios atos ao final de seu sucesso.

Independentemente da dualidade que vivia, com tantos problemas e tantas ações humanitárias que participava ou financiava, eu o Respeito.

O Surf me ensinou a Respeitar cada coisa, a tirar uma lição de cada coisa que me acontece na vida. Seja em um dia difícil e pesado de surf, ou no exemplo de vida de alguma pessoa. E não só em exemplos positivos, mas também em negativos.

Respeito o Michael Jackson pela força (que não sei de onde tirou) que ele teve para viver suportando toda a dor de suas próprias decisões em paralelo com o império de seu sucesso.

Não sei se eu teria esta força, e por isso eu o Respeito.

Onde quer que ele esteja, agora sei que está livre desse peso da vida, livre desse materialismo que conquistou. Agora está podendo caminhar sem pesos, entre brancos, negros, amarelos, pardos, orientais, todos sem cor, todos iguais.

Michael Jackson agora surfa em Outras Ondas.

Aloha, Michael.

ps.: aí fica uma das grandes mensagens de Michael Jackson, que julgo ser uma tentativa de aliviar o peso que carregava pela decisão da mudança de sua cor de pele. Uma grande demostração contra o racismo, que Respeito também:

Jake Shimabukuro e Kelly Slater no FestivAlma 2009?

FestivAlma 2009

Nota oficial do FestivAlma 2009:

“…Em sua sexta edição, o FestivAlma Surf acontece de 2 a 4 de julho, no pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. O festival terá este ano atrações imperdíveis como a banda australiana The Beautiful Girls, o californiano Tommy Guerrero, o havaiano Jake Shimabukuro e o rapper Marcelo D2. No dia 2 de julho é esperada uma jam session entre Jake Shimabukuro e Kelly Slater, o mais famoso fã do havaiano…“.

Para quem não conhece, o Jake Shimabukuro é um músico havaiano, que toca diversos instrumentos de corda desde cedo, sendo que a grande pegada é o Ukelele. Há quem fale muito bem do cara: Donavon F., Jack Johnson, Rob Machado, e por aí vai.

Um vídeo dele ficou famoso em 2007, onde ele toca sozinho um som bem conhecido (para quem gosta de música). É um pouco longo para quem está só de passagem, mas mande o link para seu e-mail pessoal e assista com calma quando der, que vale muito a pena:

Agora imagine o Jake mais o Kelly Slater tocando juntos. Não pela parte prática da música, de os dois tocando altos solos no Ukelele, mas pelo momento, pela técnica de um na música e pelo espírito do outro no surf. Momentos raros que valem ser presenciados. Com certeza surf e música é um ótimo casamento, ainda mais quando falamos do ápice nas duas pontas – Ukelele e Surf com quem entende.

Eu vou, com certeza, e depois conto para vocês no que deu. Mas ainda assim defendo: ao vivo é diferente, quem puder, vá também.

Para conhecer mais:

http://www.myspace.com/officialjakeshimabukuro

http://www.jakeshimabukuro.com/

http://www.festivalma.com.br

Aloha, “surfmúsicos”!

Festiv’Alma 2009 – Porque surf é amor, é cultura

Galera,

esse ano também vai ter o tradicional Festiv’alma, o festival de surf organizado pela revista Alma Surf! Vários shows muito bons, além das exposições e filmes fantásticos.

Festiv'alma 2009!!!

Quem quer conhecer um pouco da cultura surf, vale ir. Quem já conhece e quer ampliar o assunto nas rodinhas, vale ir também.

Cultura a mais sempre é válida, ainda mais quando o assunto é surf.

…keep surfing! Em breve mais informações aqui no WE SURF!

Aloha.